Monstros, ETs e ciência: A loucura de Aniquilação, nova aposta da Netflix

Filme aborda contato com vida inteligente fora do planeta Terra.

Natalie Portman em cena de "Aniquilação", filme disponível na Netflix
Foto: Divulgação

"Aniquilação" é um daqueles filmes que vai prender sua curiosidade até o final, mesmo que o desfecho não seja necessariamente entendido. A nova aposta da Netflix aborda contato com vida inteligente fora do planeta Terra, monstros com DNA cruzados, mitose e ciência (de um jeito muito mais legal do que aprendemos na escola, calma), além de cenas assustadoras e muitas dúvidas no ar.

Lena (Natalie Portman) está há um ano longe de Kane (Oscar Isaacs), enviado a uma missão secreta do exército e dado como morto pela amada. De luto, a professora de biologia celular e ex-militar recebe, inesperadamente, a visita do marido, que parece distante, sem emoção alguma, atônito e muito doente.

Claro que a aparição do militar não ficaria em vão, e o casal é "sequestrado" pelas forças armadas e enviado a um quartel-general próximo a uma barreira cósmica, formada após um misterioso meteoro atingir a região.

Sem muita opção e com o marido em estado de quarentena, Lena enfrenta, junto com outras especialistas, os perigos do "novo mundo", para tentar descobrir o que diabos está acontecendo há tantos anos lá. O exército de cinco mulheres observa formas de vidas estranhíssimas, jacarés com dentes de tubarão e tantos outros perigos pelo percurso desconhecido.

Nos moldes de um game de ação/terror:

O arquiteto do projeto é o diretor Alex Garland, responsável pelo elogiado "Ex Machina: Instinto Artifical" e também roteirista de "Extermínio" e "Não Me Abandone Jamais". Apesar de começar a calçar seu espaço na sétima arte, o britânico de 37 anos também tem experiência no universo dos games. E ele usa e abuso disso em "Aniquilação".

Assim como Alex escreveu nos jogos "DmC: Devil  May  Cry" e "Enslaved: Oddissey to the  West", o seu novo pupilo caminha como um game que jogamos no PC ou nos consoles, culminando nos chefões das fases, criaturas assustadoramente criativas e fortes, que demandam um esforço extra para ser abatidas.

Apesar de alguns efeitos visuais estranhos, o filme consegue criar um ambiente espetacular, misturando cenas de tensão à noite e belas paisagens cósmicas durante a luz do sol. O cineasta enrola e desenrola luzes ora extremamente fortes ora delicadas para dar tom ao enredo.

"Aniquilação" é baseado na obra homônima de Jeff VanderMeer, uma espécie de tributo ao que o mestre do terror cósmico H.P. Lovecraft deu início no século passado, conversando sobre vida alienígena na Terra e a fragilidade dos humanos perto das novas espécies.

Aviso importante! O filme é complexo, mas nada que não dê para entender, basta prestar atenção. Mesmo que suas aulas de biologias tenham sido há décadas e mais décadas, os temas centrais são extremamente simplórios: sobrevivência e dominação.

 


Fonte: Rodolfo Vicentini Do UOL


  • Compartilhe com os amigos:


Deixe um comentário



Comentários