Hospital anuncia Plano de Expansão

Visando ampliar os serviços, direção solicita apoio da sociedade para aumentar número de conveniados do HSaúde


Na semana passada, o Plano de Expansão do Hospital ‘Carlos Fernando Malzoni’ foi apresentado no seu Centro de Ensino e Pesquisa (CEP), por representantes do hospital – Denise da Camara Minelli (administradora), João Carlos Marchesan (presidente da Diretoria Executiva) e Luiz Cerqueira (diretor clínico e vereador) – e por Jorge Abrahão Kfouri Neto (diretor do Plano HSaúde). Também houve pronunciamento da vereadora Ana Mondini.

Denise comentou sobre a necessidade da continuação de uma história de 105 anos. “Depois do grande investimento feito pelo Grupo Empresarial de Matão (Gema) no final da década de 1980 e início da década de 1990, observamos que a maior expansão e implantação dos serviços de alta complexidade ocorreu nos últimos dez anos, período no qual consideramos que ‘andamos’ mais de 20 anos em questões tecnológicas e de resolubilidade no atendimento aos pacientes graves”, coloca.

A administradora salientou a mudança da identidade visual, novos serviços de alta complexidade, UTI Neo Natal, ampliação da UTI Adulto, cirurgia cardíaca, CEP, maternidade de risco, oncologia, ampliação da hemodiálise, hemodinâmica, aquisição da carteira da Matão Clinicas (que passou a se chamar HSaúde). “Melhoramos muito e abrangemos muito mais serviços e pessoas”, coloca Denise.

Em 2017, por exemplo, do total de atendimentos do hospital, 87% corresponderam ao Sistema Único de Saúde (SUS). Também no ano passado foram 11.361 internações; 244.106 atendimentos ambulatoriais e 6.584 cirurgias. Atualmente, o hospital conta com 829 colaboradores e 110 médicos. “Os números aumentaram, o hospital cresceu, com o comprometimento de sempre”, afirma a administradora.

Foi explicado por Denise que o hospital é uma entidade filantrópica – portanto, não visa lucro –, mas que para manter seus atendimentos e serviços precisa de aporte de recursos, “porque senão poderemos ‘quebrar financeiramente’; tudo pode ruir, ficar sucateado e obsoleto... Além disso, precisamos realizar expansões, melhorias; aumentar atendimentos e serviços”, menciona.

PLANO DE EXPANSÃO

Denise apresentou as seguintes perspectivas: reforma e ampliação da hemodiálise; reforma e adequação do antigo prédio do Fórum (cedido pelo Governo do Estado); nova unidade do Serviço de Apoio a Diagnóstico Terapêutico (SADT); nova unidade de cozinha, lavanderia e rouparia; reforma e ampliação do setor de Recursos Humanos, refeitório, vestiário de colaboradores; reforma geral do telhado.

E também: pintura geral; construção da sala de espera do centro cirúrgico; troca do piso; reforma dos quartos, banheiros e mobiliários; ala exclusiva para o Convênio HSaúde; em breve, troca da ampola da hemodinâmica; expansão do parque tecnológico e pós credenciamento no SUS, construção da unidade oncológica (com radioterapia) e projeto para captação e uso de energia solar.

Hoje, o hospital conta com as seguintes fontes de captação de recursos financeiros: contrato com o SUS (cuja tabela de procedimentos não é corrigida há quase 20 anos); emendas e verbas federais e estaduais; incentivos dos Governos Estadual e Federal; atendimento de convênios e particulares; contratos com faculdades de Medicina; CEP; doações de terceiros e Nota Fiscal Paulista (NFP).

“Está cada vez mais difícil equilibrar a balança financeira do hospital, entre gastos e arrecadações. Não estamos ‘correndo a sacolinha’, mas precisamos de recursos financeiros para manter o quadro atual e para conseguirmos as expansões e melhorias. Para isso, precisamos expandir a quantidade de conveniados do HSaúde”, salienta Denise.

CAMPANHA

“Estamos sempre buscando recursos para o hospital. Não podemos entrar em dívidas e seguir para a falência, como aconteceu com muitos hospitais”, frisa Denise. “A nossa maior fonte de receita são os convênios. O hospital adquiriu a Matão Clínica/Amhma Saúde, tornando-a HSaúde. Agora, precisamos ampliar a quantidade de conveniados”, aponta Denise.

Assim, a diretoria do hospital fez um apelo para que a sociedade matonense se empenhe para ampliar a quantidade de conveniados do HSaúde. “Há 39 anos, um grupo de nove médicos criou a Matão Clínicas, que sofreu mudanças ao longo do tempo, tornando-se Amhma Saúde. Nossa gestão compreendeu que se não houvesse um crescimento, esta empresa poderia sucumbir”, relata Neto Kfouri.

“Para nossa felicidade, o hospital comprou a empresa, que se transformou no HSaúde, atualmente com 15 mil conveniados. A situação financeira é adequada, mas precisa melhorar. Afirmo que o hospital de Matão – e região – é uma ilha de excelência na triste realidade da saúde pública no Brasil. O hospital não é público, mas pode ser considerado, pois atende 87% via SUS”, considera Kfouri.

“Precisamos que o empresariado, o poder público e a população compreendam a necessidade do hospital quanto a maior captação de conveniados ao HSaúde para manter e posteriormente melhorar sua situação financeira, pois a principal fonte de recursos do hospital são os convênios médicos. Precisamos do empenho de todos”, sintetiza Kfouri.

“Todo dia, dezenas e dezenas de pessoas precisam do hospital; temos atendimentos crescentes e um plano de expansão. A cada dia surgem novas tecnologias e necessidades; há aquisições, reformas, construções, treinamentos necessários. Tudo isso custa muito caro. Precisamos que a população saiba quais são as reais necessidades do hospital”, enfatiza João Marchesan.

Desde 1972 em Matão, Luiz Cerqueira acompanhou a evolução do hospital, principalmente no setor pediátrico. “Temos muito que agradecer ao empenho de protagonistas e de quem ajudou, sobretudo os empresários matonenses. Precisamos de todos novamente para que consigamos manter o equilíbrio e tenhamos condições para mais avanços à população”, expressa o médico e vereador.

A vereadora Ana Mondini, também vice-presidente do Sindicato dos Servidores Municipais, declarou: “Sinceramente, considero que ainda faltam mais especialidades médicas no HSaúde. Seria maravilhoso se o plano HSaúde conseguisse oferecer mais especialidades porque nosso hospital realmente desponta na região”, indica Ana.

Foi explicado por Denise e Kfouri que o plano de saúde garante atendimento a todas as especialidades médicas e procedimentos que estão no rol da Agência Nacional da Saúde (ANS), mesmo fora do município. E que também existe um esforço muito grande para trazer novos médicos a Matão.


Fonte: Rogério Bordignon


  • Compartilhe com os amigos:


Deixe um comentário



Comentários