Inflação oficial fecha 2017 em 2,95%

É a primeira vez que o IPCA fica abaixo do piso da meta da inflação do Banco Central desde que o regime foi implantado no país, em 1999.

Foto: Ilustrativa

A inflação oficial do Brasil fechou 2017 em 2,95%, abaixo do piso da meta fixada pelo governo, de 3%, segundo informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira (10). É a primeira vez que isso acontece desde que o regime de metas foi implantado no país, em 1999.

De acordo com a série histórica do IBGE, esse índice é o menor desde 1998, quando chegou a 1,65%. Em 2016, o IPCA havia ficado em 6,29%.

O resultado de 2017 foi puxado principalmente pelo aumento de preços de botijão de gás (16%), planos de saúde (13,53%), creche (13,23%), gás encanado (11,04%), taxa de água e esgoto (10,52%), ensino médio particular (10,36%), energia elétrica residencial (10,35%) e gasolina (10,32%).

O que explica a forte desaceleração do IPCA em 2017 é o comportamento dos preços de alimentação e bebidas, que têm o maior peso no cálculo do índice. Com o aumento de 30% da safra, os alimentos ficaram 1,87% mais baratos e impediram que a inflação avançasse ainda mais.

Com isso, os preços dos alimentos consumidos em casa fecharam o ano em baixa de 4,85%, sob forte influência das frutas, cujos preços tiveram redução de 16,52%.

Segundo o analista da Coordenação de Índices de Preços ao Consumidor Fernando Gonçalves, a partir de agora deverá ocorrer um “realinhamento” dos preços dos alimentos. “Eles tiveram muitas quedas por conta da supersafra do ano passado. Não podemos dizer que a partir de agora há uma tendência de alta crescente, mas deve ocorrer um realinhamento desses preços.”

Ao longo de 2018, a inflação deve “voltar à normalidade”, de acordo com Gonçalves. Questionado sobre qual seria esta medida de normalidade, o anaista explicou que não devem ocorrer fenômenos atípicos que deixem o índice muito elevado ou muito baixo.

 

Inflação por regiões

Goiânia e Brasília registraram as maiores variações do IPCA: 3,76%, puxados pelos reajustes de energia elétrica (30,54%) e ônibus urbano (25%). O índice mais baixo foi o de Belém (1,14%), sob influência das quedas do feijão-carioca (-46,21%) e do açúcar cristal (-35,62%).

 

Previsões

O resultado de 2017 ficou próximo à previsão do Banco Central. Em dezembro, um relatório da instituição estimou que a inflação de 2017 seria de 2,8% e à dos economistas consultados pelo boletim Focus. Na última pesquisa que mostrava as previsões para 2017, a inflação estava em 2,79%.

 

Inflação mais forte em dezembro

Em dezembro, o IPCA registrou a maior taxa mensal do ano inteiro: 0,44%. Em novembro, o índice chegou a 0,28%.

 

INPC

O IBGE também apresentou o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) fechado de 2017, que chegou a 2,07%, a menor variação desde a implantação do Plano Real. Em dezembro, a taxa foi de 0,26%, acima da taxa de novembro, de 0,18%.

Esse índice é usado como referência para o reajuste dos benefícios previdenciários.

Com isso, pelo segundo ano consecutivo, o reajuste das aposentadorias e benefícios do INSS de quem ganha acima de 1 salário mínimo deverá ser superior ao aumento do salário mínimo, que teve reajuste de 1,81% e passou de R$ 937 para R$ 954 no dia 1º de janeiro – o menor aumento em 24 anos.

Em 2017, o reajuste para aposentados e pensionistas do INSS que recebem benefícios com valor acima de um salário mínimo foi de 6,58%, referente à variação do INPC de 2016.


Fonte: Por Anay Cury e Daniel Silveira, G1


  • Compartilhe com os amigos:


Deixe um comentário



Comentários