Bicho geográfico: saiba os sintomas, tratamentos e prevenção

Após viagem para a República Dominicana, casal de canadenses relatou nas redes sociais o estrago que o bicho geográfico deixou em seus pés

Foto: Ilustrativa

Apesar de ser incomum para os turistas gringos, o bicho geográfico já é velho conhecido dos brasileiros, que muitas vezes voltam da praia com a doença. Quer saber mais sobre a infecção? A seguir, tiramos algumas dúvidas relacionadas ao problema.

O que é?

A infecção é causada por larvas ancilostomíases, que, ao se moverem dentro da pele, deixam uma espécie de trajeto visível, como se fosse um mapa --daí o nome ‘geográfico’. A doença também é conhecida como larva migrans.

Como pega?

O parasita é primo do verme que causa o amarelão, mas vive somente nos cães e gatos. Quando os pets fazem cocô em praias, parquinhos infantis e outros locais com terreno arenoso, acabam liberando os ovos do bicho geográfico. 

“Quando a larva é depositada na areia e não encontra seu hospedeiro, acaba entrando na pele dos humanos, onde vive por poucos dias até morrer”, explica Vidal Haddad, médico dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Quais os sintomas?

Como o verme não faz seu ciclo no corpo humano, não causa muitos estragos além de coceira, possíveis alergias, bolhas ou infecções. “São complicações locais. As bolhas e infecções, como do casal de canadenses, só ocorrem quando o diagnóstico é tardio e as pessoas foram infectadas por vários parasitas --já vi gente com 50 desses vermes nas costas, só porque a pessoa se deitou em um local de foco”, disse Vidal.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico precoce é difícil. Como no começo a parte visível é apenas uma bolinha vermelha na pele, pode haver confusão por parte do paciente e do médico. Geralmente o problema só é detectado quando essa bolinha começa a andar e a fazer o desenho na pele.

Como tratar?

Não pense em arrancar o bicho. Você pode se machucar. Por mais que a melhora espontânea também seja possível, ela é incerta. Por isso os médicos recomendam não esperar que o problema desapareça. O tratamento é feito por meio de um remédio para vermes, indicado após consulta médica. O medicamento pode ser por via oral ou local, com uma pomada, dependendo da quantidade de parasitas.  

Como se prevenir?

A não ser que você queira andar de tênis na praia, não existe prevenção por parte do paciente, mas sim do causador. “É importante conscientizar quem leva o cachorro à praia ou a outros locais arenosos. Eles devem sempre recolher os dejetos de seus animais. Só assim as areias não são infectadas”, diz Vidal.

 


Fonte: Gabriela Ingrid Do VivaBem


  • Compartilhe com os amigos:


Deixe um comentário



Comentários