Carnaval 2018 foi de protestos pelo país

Temer, Crivella e Cabral foram alvo dos foliões; em SP, tom engajado foi mais tímido

Passista da Beija-Flor em apresentação marcada por protestos e críticas sociais
Foto: Mauro Pimentel/ AFP Photo

O “Carnaval do protesto” uniu sambódromo e folia de rua pelo país, com críticas contra políticos, Judiciário e políticas públicas em escolas de samba do Rio e blocos de Salvador, Recife e Belo Horizonte. Já em São Paulo as críticas foram mais tímidas, mas também existiram.

No Rio, a escola Beija-Flor traçou paralelo entre “Frankenstein”, de Mary Shelley, com o momento do Brasil.

Ratos representaram políticos e sobraram críticas à criminalidade, ao sucateamento das redes de saúde e educação e à corrupção. 

Um dos carros encenou a violência cotidiana do Rio. Em uma encenação, alunos foram baleados; em outras apareciam crianças em caixões e policiais mortos.

Houve alusão à “farra dos guardanapos”, jantar de luxo em Paris que reuniu o ex-governador Sérgio Cabral (MDB), outros políticos e empresários —nove foram presos e outros são investigados.

“A gente tem que mudar isso. Vamos reagir, Brasil”, disse a funkeira Jojo Todynho após o desfile da agremiação, na madrugada de terça (13).

O prefeito do Rio, Marcelo Crivella (PRB), foi alvo do desfile da Mangueira no dia anterior. Ele cortou verbas das escolas de samba e de festas de rua na cidade. 

Um dos carros da escola trouxe a frase “Prefeito, pecado é não brincar o Carnaval”. Crivella é bispo licenciado da Igreja Universal.

Houve também um boneco com a imagem do político, com corda no pescoço. 

Em nota, a gestão municipal chamou o protesto de “intolerância religiosa”. Afirmou ainda que conseguiu dar apoio ao Carnaval, mesmo em condições de “crise excessiva e retração econômica”.

A Paraíso do Tuiuti apresentou o presidente Michel Temer como vampiro no último carro alegórico —e temas como racismo, escravidão e leis trabalhistas foram contemplados no enredo. 

Uma das alas teve patos amarelos como parte das alegorias —semelhantes ao que ficava em frente à Fiesp nos protestos a favor do impeachment de Dilma Rousseff (PT) na avenida Paulista. Foliões desfilaram como fantoches.

Com baixa popularidade, o prefeito Crivella e o governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (MDB), não compareceram ao sambódromo.

Assim como na Marquês de Sapucaí, Temer e Crivella foram alvos de protestos em blocos no Rio. No centenário Cordão da Bola Preta, funcionários da UFF (Universidade Federal Fluminense) carregavam balões com a expressão “Fora Temer”, enquanto médicos levantavam cartazes com a inscrição “Saúde em pânico com Crivella”, sobre salários atrasados de médicos e enfermeiros nas clínicas da família da cidade.

MALA

Temer foi alvo ainda de protestos de foliões na passagem do bloco Mudança do Garcia, em Salvador. Os participantes trouxeram cartazes contra a reforma da Previdência e a classe política.

No Recife, blocos contaram com foliões fantasiados com a inscrição “Fora Temer” no corpo. “Todo dia é dia de protesto”, disse a foliona Sheyla Santos, que fez o protesto com a filha, Yolanda, nas ruas da capital pernambucana.

Com o cartaz “Alô, alô, Gilmar, eu tô em cana, vem me soltar”, o folião Roberto Ferreira, 40, fantasiado de presidiário, criticou o ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal), nas ruas de Belo Horizonte.

PANELAS

No desfile em São Paulo, a Império de Casa Verde trouxe o enredo “O Povo: A Nobreza Real”, sugerindo revolução social que livraria o povo de dominação. Integrantes da escola da zona norte bateram panelas, o que pode ser visto como referência aos protestos que culminaram com o impeachment de Dilma. 

“Na alma da gente/ a esperança continua/ vem  pra rua”, dizia também o samba. “Vem pra rua” é expressão que se popularizou em protestos nos últimos anos no Brasil.

“Demos a mensagem”, afirmou o carnavalesco da Império, Jorge Freitas. “Queríamos falar sobre como poucos têm muito e muitos têm pouco, algo que a humanidade não conseguiu resolver.”

Nos megablocos da 23 de Maio, principal novidade do Carnaval paulistano, protestos políticos não foram marcantes. Em outros locais da capital paulista, como em Pinheiros (zona oeste), houve algumas manifestações.

 


Fonte: Folha de São Paulo


  • Compartilhe com os amigos:


Deixe um comentário



Comentários