Começou o 9º Fronteiras Brasil

Festival acontece em nove comunidades de Matão


A 9ª edição do Projeto Fronteiras Brasil será realizada entre os dias 8 e 22, com atividades pela manhã, tarde e noite. A abertura do festival, direcionada aos arte-educadores, aconteceu no domingo (8) com um ensaio aberto do espetáculo ‘Cordel de Condão’, apresentado pela Cia Labirinto de Teatro e pelo Grupo Vocal Coro e Osso, cuja estreia está planejada para novembro.

“Na segunda-feira (9), a professora doutora Suzi Frankl Sperber ministrará uma aula aberta na Casa Pipa sobre o tema ‘Criação e Liberdade’. Todos os interessados e, em especial, professores de Matão, poderão participar deste encontro, que terá início às 14 horas”, comenta Douglas Heriberto de Souza Aranha.

Na primeira semana do festival, os 20 arte-educadores se reúnem pela manhã em um grupo de reflexão sobre arte-educação horizontal. À tarde se dividem em duplas ou trios para práticas e trocas de experiências com as comunidades. “As noites da primeira semana estão reservadas para que os artistas se organizem num intercâmbio entre as diferentes linguagens artísticas, que resultará em um cortejo no sábado (14), às 11 da manhã, no centro da cidade”, informa Douglas.

Ele participa como artista e pesquisador da Cia Labirinto de Teatro desde 2013 e da Casa Pipa desde 2012, onde atua na organização do Festival Internacional de Arte e Educação Fronteiras Brasil. Formado em Letras (Português/Alemão) pela Unesp-Araraquara, Douglas passou a desenvolver recentemente trabalhos voltados ao circo, com dedicação mais específica a malabares e tecido aéreo.

O FESTIVAL

Neste ano, o ‘Fronteiras’ é realizado pela Cia Labirinto de Teatro e pela Plataforma Internacional de Produção Artística (Casa Pipa) em parceria com a ONG Ocara, Prefeitura de Matão, Sesc e Sincomércio-Matão, com apoio da TG3 Design e Conteúdo, Associação Cultural Coro e Osso, Jornal A Comarca, Jornal do Comércio, Matheus Ricci Films e Gustavo Francisco Fotografia.

O festival acontecerá em nove comunidades: Lar São Vicente de Paulo (Vila Pereira), Associação dos Moradores (Parque Aliança), Casa da Cultura ‘Prefeito Armando Bambozzi’ (Centro), Centro de Artes e Esportes Unificado (CEU - Portal Terra da Saudade), Clube dos Escoteiros (Recanto dos Pinheiros), Comunidade Santa Clara (Vila Guarani), Comunidade Santa Rosa de Lima (Jardim Santa Rosa), Centro de Referência e Assistência Social (Cras Jardim Paraíso) e Salão da Paróquia ‘Nossa Senhora do Perpétuo Socorro’ (Vila Pereira).

O ‘Fronteiras’ acontece anualmente em Matão desde 2009. Trata-se de um projeto cooperativo de repercussão internacional idealizado pelo iraniano Khosro Adibi e por Lygia Nicolucci, que sentiram a necessidade de criá-lo para reforçar a cultura por suas raízes sociais. São trabalhadas diversas linguagens (teatro, dança, música, visuais, literatura, circo) para o desenvolvimento de práticas arte-educativas em comunidades do município, além de fomentar o intercâmbio cultural entre artistas e comunidade.

“O projeto está fundamentado em uma ideologia de participação coletiva e na prática reflexiva pela experiência, pelo contato e pela convivência de pessoas com diferentes formações artístico/culturais, que se encontram para compartilhar seus processos criativos e formativos”, cita Juliano Jacopini, diretor da Cia Labirinto, um dos coordenadores da Casa Pipa.

Durante os anos em que o ‘Fronteiras’ aconteceu em Matão, já passaram pelo festival mais de 200 arte-educadores em cerca de 30 instituições diferentes, abrangendo bairros e área central, além do distrito de São Lourenço do Turvo, do bairro de Silvânia e municípios como Taquaritinga e Araraquara, trabalhando com mais de 2 mil crianças em toda sua história.


Fonte: Rogério Bordignon


  • Compartilhe com os amigos:


Deixe um comentário



Comentários